Pular para o conteúdo principal

Fiel em parte, ou totalmente fiel?



As pessoas sempre buscam algo em que possam “apoiar” suas emoções, se firmar quando passam por problemas. Queremos ter certezas que nos deem razão. Somos todos assim.
Perigoso é quando nos firmamos em mentiras, meias verdades ou até mesmo em partes de alguma verdade.
É comum encontrar pessoas que em suas declarações e postagens fazem menção a algum trecho conhecido da Bíblia. Exemplo: “Nunca imaginei sofrer como estou sofrendo, mas sei que o meu Redentor vive! Meus inimigos serão humilhados! De falsos, quero distância!! #aalegriavempelamanha #meuredentorvive #falsidadeaquiemato #vcfoiofeijaoqueeupenseiqueerasorvete”.

Realmente existe uma passagem na Bíblia com a frase “sei que meu redentor vive”. Mas também é verdade que a Palavra de Deus é cheia de muitas outras falas, com muitos outros ensinamentos, tais como os conselhos sobre perdão e sobre ter paz com todos. E é aí que entra a pergunta do título deste texto:

A Bíblia é fiel apenas em partes ou fiel em todo o seu conteúdo?
É obvio que não estou duvidando da fidelidade de Deus em sua Palavra. A pergunta é somente para dar o pontapé inicial.
Então, porque nos agarramos tão facilmente aos textos que nos induzem a contar vitória e nos esquecemos (ou nem ao menos sabemos) dos textos que nos mandam adotar uma postura de humildade e compaixão com aqueles que nos feriram? Será que o texto bíblico só é fiel quando diz que meus inimigos fugirão por 7 caminhos, mas não é fiel quando diz que seremos perdoados assim como perdoamos os nossos devedores?

A realidade é que as pessoas escolhem os trechos bíblicos que se “encaixam” em suas pretensões de defesa ou até mesmo de ataque, mas se esquecem que a mesma Bíblia é cheia de versos que nos mandam perdoar (Mt 6: 12), dar a outra face (Lc 6: 29), amar e não nos considerarmos melhores que ninguém nem pensarmos em nós mesmos mais do que o necessário (Rm 12: 3).
Na verdade, alguns acreditam que a Bíblia lhes dará razão por estarem usando um versículo mesmo que estejam, com suas ações, ignorando tantos outros.
Qualquer um que tem a Bíblia como alicerce e sabe que por ela Deus nos edifica acredita em todo o seu conteúdo e nele se baseia para viver (2 Tm 3: 16-17). Quem escolhe os trechos que quer acreditar, isolando seus significados, não entendeu nada e está apenas tentando moldar a Palavra segundo suas próprias necessidades.

Cabe a cada um de nós lembrar que a Bíblia é fiel tanto quando diz que existem bênçãos aos obedientes quanto quando diz que existe castigo aos desobedientes (Mt 7: 23). Se você se sente justificado por um versículo mas vive sem amar, sem perdoar, metido em tudo quanto é desavença, cheio de rancor, você está equivocado e precisa deixar a Palavra te moldar por inteiro (Mt 7: 21).
A Bíblia é fiel quando diz que Cristo carregou nossas dores e também é fiel quando diz que aquele que não ama seu próximo não conhece a Deus, pois Deus é amor (1 Jo 4: 8).

Até a próxima. Abraços! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A ponte que me liga a Deus

A pergunta é velha: como um homem mau e culpado pode se relacionar com um Deus bom e justo? Há respostas para todos os gostos. Todas são verdadeiras? Não.
Quando se fala em verdade e mentira, logo surge a ideia de que cada um tem a sua verdade. Tudo passa a ser relativo e acaba sendo atrelado a opiniões e experiências particulares de cada pessoa. Papo furado. Se tudo fosse verdade, não existiria verdade alguma. A verdade é uma só (João 14:6).
Sobre o tema da pergunta, acho válido dizer que existem aqueles que acham que ela nem faz sentido, já que não se consideram nem maus nem culpados, e outros nem sabem que Deus é justo. Mas há também muitas pessoas que se perguntam como podem estar diante de Deus, tendo consciência de que não são moralmente capazes de ser aceitáveis diante Dele. Acho que o texto é para essas pessoas. Mas o que seria não ser “moralmente capaz”?
Faça um simples exercício. Considere os seguintes mandamentos: Amar a Deus acima de todas as coisas e amar o próximo como…

"Amy"

“Amy”
Ontem assisti ao documentário “Amy”, dirigido por Asif Kapadia, e que mostra a breve trajetória da cantora britânica Amy Winehouse. Como é de se esperar de um músico que assiste a documentários sobre cantoras, observei todos os aspectos musicais, os depoimentos de músicos, produtores e críticos com quem Amy trabalhou. Não há nada a dizer além do que ouvi. Amy Winehouse foi umas das melhores cantoras de sua geração.
Sempre gostei de artistas que conseguem dar ares de modernidade ao que é clássico, que transitam bem por várias “gerações” da música. Assim como John Mayer faz garotos acostumados ao “bate-estaca” do pop moderno pararem para ouvir Blues, Amy fez adolescentes e crianças conhecerem o Jazz e o Soul, ao mesmo tempo em que participava de discos de ícones como Tony Bennett. Fiquei, digamos, triste por não ter conhecido o trabalho de Amy Winehouse mais cedo, porém vi que ainda é tempo. E estou correndo atrás do tempo perdido rs. Mas não quero bancar o crítico de imprensa …